COMUNHÃO

 

Grafite HB e 6B sobre papel sulfite branco 150g/m²

Grafite HB e 6B sobre papel sulfite branco 150g/m²

Comunhão é um projeto de HQ independente do Felipe Folgosi. Gentilmente, ele me convidou para fazer uma arte para sua campanha nas redes sociais.

Ele apresentou pra mim o projeto, encaminhou as referências e fiz esta imagem acima. Na história em quadrinhos, um dos temas é corridas de aventura e, predominante, terror psicológico. Aborda dramas e superação. Mas como eu me identifiquei muito com a Amy, sua personalidade, e eu já tive o cabelo curto como o dela, optei por fugir um pouco do tema. Fiz uma versão feliz, aventureira e disposta para viver novas aventuras.

Gostaria de ter finalizado com nanquim e colorido. Mas estou muito atarefada (no bom sentido) e optei por caprichar no grafite. Usei mina HB numa lapiseira da Pentel e lápis 6B da Staedtler. O papel é o mais básico de todos: sulfite branco com uma gramatura que é o dobro do papel tipo ofício (ofício tem 75g/m² e o sulfite que usei tem 150g/m².

Agradeço a sua visita no meu pedacinho da web. Se você quiser saber mais sobre este projeto e apoiá-lo, acesse:

https://www.catarse.me/pt/comunhaohq

😉

Advertisements

Tutorial de Desenho com Técnica Mista: Trafalgar Law.

Para aqueles que desejam aprender um pouco mais sobre técnicas e materiais de desenho,  fiz abaixo um passo a passo de um desenho que fiz utilizando 3 materiais no mesmo trabalho: aquarela, nanquim e lápis de cor. Comumente, estes são os materiais de desenho que mais utilizo.

O personagem que escolhi  chama-se Trafalgar Law ; ele faz parte da série do mangá e anime intitulado One Piece. Ao estudar o personagem observando-o nas HQs e no desenho animado, colhi imagens para estudo da figura e de sua personalidade.

Imagens para estudo do personagem e composição:

O fato de eu optar por mais de uma material na composição de um desenho é porque cada um dará a possibilidade de representação de texturas e efeitos visuais diferentes para o que eu almejo representar no meu desenho.

Segue a lista do que usei para desenhar:

Primeiro, fiz um desenho com lápis grafite. Utilizei papel branco sulfite tamanho A4 e gramatura 150 g/m² e utilizei lápis grafite 6B da marca Staedtler série ‘Tradition’. Com o lápis grafite, eu delineei e representei o luz e sombra com técnica de hachurado (com linha) traçando de forma regular e irregular. No cenário eu misturei as linhas para criar o efeito de “sfumatto”.

Após desenho finalizado, sobre o mesmo coloquei outra folha de papel e o levei para a mesa de luz. Fixei ambos com fita crepe para as próximas etapas.

Com aquarela preta bastante diluída fiz um tom de cinza suave para o zíper do casaco e a parte clara do detalhe negro da espada. Com aquarela ocre criei os tons de metal dourado dos brinco que o personagem usa e o acabamento em metal da sua espada que também é dourado. Com o vermelho de cádmio da Winsor&Newton fiz o ‘sageo’ vermelho que circunda o ‘saya’ de sua ‘katana’. E para representar o volume deste “barbante” (sageo) eu usei também aquarela da Winsor&Newton na cor marrom ‘burnt umber’.

Em particular, gosto muito de aquarelas pastosas em bisnagas da Pentel porque com elas você poderá criar várias pastilhas e paletas de cores diversas. Podendo assim, você não se preocupar se determinada quantidade de tinta da cor criada acabar, não corre o risco de errar o tom na mistura das cores. Mas prefiro trabalhar com elas em forma de pastilhas. Assim eu tenho mais controle do volume de pigmento proporcional a coloração que quero.

Finalizada a coloração com aquarelas, parti para a coloração com lápis de cor.

Com os tons de cinza, fiz a volumetria do chapéu; como na pelúcia da espada, com traços curtos representei as sombras da textura da pelúcia de pelo curto. Seguindo a risca a técnica do hachurado: onde mais claro menos camadas, e onde mais escuro mais camadas de hachuras.

Com nanquim deve-se ter cuidado redobrado. Com aquarela que há um tempo de secagem pode-se modelar a mancha e o tom, pode-se retirar quase 100% da aquarela do papel. Com lápis de cor pode-se apagar. Mas com nanquim não tem ‘perdão’. Se errar, errou e será necessário adaptar o desenho ao erro ou perde-se o desenho.

Qualquer dúvida ou detalhe que você não entendeu e/ou quer saber mais, deixe seu comentário! Terei alegria em responder-te.  🙂

law_color

Homenagem a Caverna do Dragão

Banner para divulgação na internet.

Banner para divulgação na internet.

No dia 13 de dezembro de 2014, em comemoração ao aniversário de 22 anos da Gibiteca Marcel Rodrigues Paes (mais conhecida como Gibiteca Santos), entre suas atividades ocorreu às 18h a abertura da exposição “Caverna do Dragão por uns 20 Artistas”. Esta é mais uma ação organizada por Denis DYM Freitas em parceria com SECULT e Gibiteca Santos.

O desenho animado “Caverna do dragão” foi ao ar originalmente entre os anos de 1983 a 1986 pela CBS, emissora dos EUA, com 27 episódios. Era baseado no jogo de RPG (Role playing game) “Dungeons & Dragons”. No Brasil, a série estreou em 1986 dentro do “Xou da Xuxa”, na Rede Globo, que nunca passou o início da série e só foi exibir a terceira temporada quase dez anos depois, dentro do programa da mesma emissora “TV Colosso”.

Mesmo assim, a série influenciou toda uma geração de crianças. Eu sou uma delas e, muitas crianças como eu, participam desta exposição, agora como desenhistas e ilustradores.Tenho a alegria de estar ao lado de: Aikau OliveiraAndré ReisBlendaCarlos GreccoDenis DymGiovanni PedroniGuthemberg PereiraIgo Carneiro, Helton Soares, JazzJohn CastelhanoLeandro Henrique AltafimLeandro ReisLucas Rugal (meu aluno), Luiz Gustavo Pereira, Nicolas Soares, Sam CozaSandro CostaVinicius de MouraYoshi.

É a terceira exposição que tenho a honra e alegria de participar este ano na Gibiteca Santos!

Quando DYM anunciou o terceiro tema, eu optei por fazer uma alegoria em homenagem ao terceiro episódio da série animada. Intitulado “O Salão dos Ossos”, este foi o episódio que me impressionou quando criança e eu jamais o esqueci. Eu reassisti ao desenho, estudei todos os personagens que aparecem nesta trama e comecei a elaborar minha composição.

Esbocei primeiramente com grafite e delineei com canetas nanquim (porque são resistente à água). Após limpeza dos traços de grafita, apliquei aquarelas na marca Pentel e Winsor&Newton. Utilizei pincéis que gosto muito da Winsor&Newton Série 7 e da Pinctore Tigre referência 182. Estes são redondos e seu pêlo tem corte em forma de gota.

Para mim, é uma alegria poder participa de ações como estas que promovem o entretenimento, a cultura pop, os quadrinhos. E o melhor de tudo: poder desenhar livremente! Sem prazos apertados ou limitações estéticas.

Eis meu desenho finalizado.

Fontes de pesquisa: Google Images e Facebook.